Alimentação escolar na Green School

Começo dizendo que é de cair o queixo esse conceito para a alimentação escolar… Absolutamente Slow Food!

Dêem uma olhadinha nessas fotos primeiro:

This slideshow requires JavaScript.

Bom, assim que cheguei na Green School, a primeira impressão foi a hora do almoço: crianças aos montes pedindo refeições vegetarianas, adultos comendo com as mãos sentados no chão (à maneira tradicional da ilha) e descalços.

Segundo momento – entendendo melhor como o cíclo alimentar na escola é único e muito, muito verde.

Pra começar, eles cozinham pra cerca de 500 a 600 pessoas por dia (+-300 alunos), com apenas duas mini geladeirinhas. Isso quer dizer que a maior parte da comida chega e é consumida toda, diariamente (isso sim é estoque mínimo).

Por isso também, eles quase não precisam utilizar plástico pois quase não precisam armazenar nada. (Sem falar na economia de tantas etiquetas que geralmente vão nos produtos e produções. Papel + cola).

Acho que nem preciso comentar que quase não há consumo de energia por esse fato (refrigeração e aquecimento são os maiores consumidores de energia numa cozinha).

O sistema de ventilação e iluminação na cozinha é natural. A cozinha é aberta, e toda feita de bamboo.

O fogão é movido a lenha e serragem de bamboo, sobras das construções da empresa de arquitetura em Bamboo, a PT Pure Bambu.

Toda água utilizada é  vinda do poço local que criaram. A água potável é filtrada por um maquinário especialmente doado para a escola. E as crianças são motivadas a não usarem garrafas plásticas.

A maior parte do hortifruti provém da própria horta da escola. 100% orgânico! O que não está disponível, vem de outros fornecedores locais e orgânicos, as carnes por exemplo.

carne bovina é a menos consumida e oferecida nos cardápios.

Todo dia há dois cardápios: comida tradicional Indonesiana/Balinesa, super autêntica porém menos picante, e a comida ocidental. Diariamente, uma a duas opções vegetarianas. Isso quer dizer uma refeição vegetariana nutricionalmente completa. A proteína vegetal mais utilizada é o tempe (farei um post sobre, ok?).

Arroz: SÓ integral e todo dia!

As crianças comem em cestinhas feitas de bamboo, forradas com folhas de bananeira, que por fim vão para compostagem. Isso evita o uso de detergente e economiza água da natureza.

Ao final de cada almoço, as crianças alimentam os porcos da escola com os restos de comida.

Para fechar o cíclo alimentar, a transformação da comida em dejetos. Depois de digeridos, os alimentos são transformados em dejetos e então excretados. Na escola, até os banheiros são ecologicamente corretos: são banheiros secos, que não utilizam água para descarga. Ao invés disso, mistura-se os dejetos com matéria seca para então compostar e eventualmente devolver para a natureza, reiniciando o cíclo.

Incrível, não?

3 comments

  1. Renata Amaral

    Barbaro!!! Sera q um dia teremos algo parecido…

  2. Espero que sim!!!!! tsc tsc… me?!!!!

  3. Marcia

    Transferindo…
    Well done, Carol!!! Aproveite o espaço para por em prática seu futuro job (I hope so) já adicionei meu e-mail vou acompanhar suas aventuras. Morei em Sidney, infelizmente não fui para Bali, mas está na lista, parece que é um lugar energizante e ideal para os cuidados e buscas internas. Muito bacana a intencionalidade da escola, religar o ser humano a natureza é fundamental para o desenvolvimento sustentável. As imagens da escola são fantásticas. E as crianças que você fotografou são gringos que estudam aí? It’s all, represente o Brasil em sua aula, eles vão adorar degustar! Bj Márcia

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: